Ampara Animais Silvestres - Melhores ONGs

Blog

Meu Pet realmente sente dor? Como? O que posso fazer?

A Agener União, parceira da AMPARA Animal há 10 anos, programou uma série de lives no Instagram para falar sobre a dor nos animais de estimação.

A primeira live aconteceu no dia 14/9/2020 e foi conduzida pela Professora Denise Fantoni, médica veterinária docente do Departamento de Cirurgia e Anestesiologia da FMVZ-USP.

A médica veterinária Patrícia Bonifácio Flôr, especialista em anestesia, controle da dor e cuidados paliativos do HOVET/FMVZ-USP, foi convidada para falar sobre o tema “Controle da dor pós-operatória em cães e gatos.”

Abaixo, você confere os principais pontos abordados durante a live. O conteúdo completo você pode assistir no IGTV através do Instagram @agener.oficial.

Entenda um pouco sobre a importância de diagnosticar e tratar a dor. Os pacientes de 4 patas agradecem aos Médicos Veterinários por todo o cuidado e dedicação!

Por que tratar a dor dos animais?

Durante a live Agener sobre o “Controle da dor pós-operatória em cães e gatos”, a Profa. Denise Fantoni conversou com a médica veterinária Patrícia Bonifácio Flôr sobre a importância em identificar e tratar adequadamente a dor em cães e gatos. De acordo com Patrícia Flôr, “devemos nos colocar no lugar do animal. O que eu estaria sentindo se estivesse no lugar dele? É um compromisso do médico veterinário evitar o sofrimento dos animais, aliviar a dor e dar conforto. Nós, médicos veterinários, gostamos dos pacientes e queremos que eles fiquem bem. Não podemos deixar que eles passem por uma cirurgia, um trauma ou após qualquer situação que cause dor, como a pior experiência que possam ter”, afirma Patrícia.

A dor causa muitos efeitos prejudiciais:  estressa o animal, pode causar hipertensão, alterações na imunidade e na coagulação sanguínea. Após cirurgias comuns, como as castrações, muitos animais com dor não comem ou bebem água adequadamente, retém urina e fezes e evitam andar, o que compromete a sua recuperação e favorece que a dor se torne persistente e de difícil tratamento.

O tratamento deve ser indicado pelo médico veterinário pois ele é o único profissional apto a identificar a dor e tratar os pacientes com os medicamentos e doses adequadas. Há muitas medicações utilizadas por nós humanos, que podem ser fatais aos animais.

A escolha dos medicamentos depende da intensidade da dor de cada animal. Um ponto muito importante é que devemos dar preferência para os medicamentos veterinários que são mais seguros e garantem a dose adequada, principalmente para gatos e cães de pequeno porte.

Para a dor leve, muitas vezes o uso de apenas um medicamento analgésico é suficiente. Para dor moderada a intensa sempre é necessário 2 ou mais medicamentos. Por exemplo, a castração de uma cadela ou gata é uma cirurgia de grande porte, sendo necessárias ao menos duas medicações analgésicas diferentes para conseguir aliviar a dor (geralmente um anti-inflamatório e mais um analgésico), e em alguns casos até mesmo três medicações.

Um medicamento eficaz para o dor em um animal pode não ser eficaz para outro animal?

Sim. O tratamento da dor é individual!

O médico veterinário deve seguir diversos critérios para escolher o medicamento, a dose e o tempo de tratamento ideal para cada paciente.

O tipo de medicamento e dose muda para as diferentes espécies, cães ou gatos.

Existem muitos estudos e medicamentos disponíveis para o tratamento seguro e eficaz contra dor de diferentes intensidades nos animais.

Eles sentem dor como nós?

Sim, a sensação de dor em cães e gatos é semelhante a dor que sentimos e por este motivo devemos sempre utilizar o princípio da “analogia”, ou seja, compararmos a dor deles com o que poderíamos estar sentindo. O princípio da “analogia” é sempre a melhor maneira de identificarmos a intensidade da dor em animais. Os animais não falam o que estão sentindo e assim demonstram a dor através de mudanças comportamentais.

As diferentes espécies se comportam de formas diferentes diante da dor.

Ele brinca, come bem e bebe água. Não deve ter dor”

A dor é individual, um cão de pequeno porte pode demonstrar muito mais do que um cão de grande porte, choramingando ou até mesmo com agressividade.

Nos gatos a expressão da dor é muito sútil e por isso a atenção dos tutores é fundamental para identificar as discretas alterações comportamentais.

Consequências da dor não tratada corretamente

A dor não tratada pode causar dor persistente, de difícil tratamento. Os animais diante da dor demonstram alterações no comportamento: brincam menos, deixam de subir escadas ou deixam de subir no sofá, fazem suas necessidades em locais inadequados, lambem constantemente a região dolorida e podem até ficar agressivos. O diagnóstico definitivo da dor muitas vezes é feito através do tratamento com analgésicos e a melhora evidente do paciente comprova que ele sentia dor, uma vez que ele volta a brincar, correr e interagir com seus tutores.

Diante das alterações comportamentais citadas ou na dúvida se o seu animal está sentindo dor, procure um médico veterinário, pois ele é o único profissional apto a diagnosticar e tratar corretamente estes pacientes.