Ampara Animais Silvestres - Melhores ONGs

Blog

Adestramento ou maus-tratos?
mar 15, 2021

Nas últimas semanas, vimos uma denúncia de maus-tratos em uma escola de adestramento de São Paulo e notícias como essa alertam sobre o quanto precisamos proteger nossos cães de maus profissionais!

 

Dicas de como escolher um bom adestrador

 

Procure sempre orientação do médico veterinário, peça indicações para outras pessoas que já contrataram o profissional ou pesquise e observe algumas características importantes que um bom adestrador deve ter, tais como:

  • Um bom adestrador não se importa com a presença do tutor do animal durante as aulas, já que o cão se sentirá mais seguro se você estiver ao lado dele. É importante que você também aprenda os comandos para estabelecer uma relação harmoniosa com seu animal. Se, por acaso, um adestrador não permitir que você acompanhe as sessões ou as aulas de adestramento, desconfie. Não existem motivos para isolar o animal do tutor durante as aulas.
  • Uma outra característica importante é o carinho e a relação que o adestrador tem com seu animal. Esta deve ser sempre uma relação de confiança e afeto, e nunca de medo. Se o seu animal apresenta medo do adestrador, alguma coisa está errada.
  • Um bom adestrador nunca bate, castiga, grita ou usa força com o animal, ele deve e pode ser firme e usar um adestramento inteligente, com o uso do reforço positivo (recompensas – que podem ser carinho, incentivos, petiscos e outras) para ensiná-lo pouco a pouco e de forma paciente. Embora seja possível realizar o adestramento de qualquer animal, em qualquer idade, os filhotes são mais facilmente adestráveis. Dê preferência para iniciar esse processo após o primeiro ciclo completo de vacinas, ou seja, quando o filhote tiver em torno dos 4 meses de idade. Nessa fase, seu cão tem mais facilidade de aprender os exercícios, de socializar com pessoas e animais, e ficará mais obediente com o passar dos anos.

 

Se o seu animal fica em uma escolinha, creche ou hotel para cães, o ideal é que ele fique em um local que tenha sido recomendado e que possua referências. O ideal, também, é que o local possua câmeras para que você possa acompanhar a rotina e o tratamento dado a ele, à distância. Com o tempo, o animal deve apresentar alegria e contentamento ao ir para a creche, sem sentir medo. Portanto, o adestramento deve ser responsável e sempre com muito cuidado, nunca com maus-tratos!

 

Texto: Rosangela Gebara – Veterinária e Gerente de Projetos da AMPARA Animal.