Blog

Os perigos da obesidade canina

Por Fisiocare

Humanos e cães já completam séculos de uma parceria significativa na história do mundo. Assim como podemos desfrutar de grandes conquistas, também compartilhamos os maus hábitos e manias de nossa sociedade. Entre as consequências dos maus hábitos está a obesidade canina que vêm encurtando a estimativa de vida de nossos pets.

A obesidade canina é um problema que deve ter atenção e ser levado a sério pelos tutores, pois seu prolongamento sem o devido tratamento pode acarretar o aparecimento de diversas doenças decorrentes do acúmulo de gordura corporal.

 

Doenças decorrentes da obesidade canina

Dentre as doenças que mais atingem os cães obesos, podemos destacar:

1 – Aumento de doenças articulares: o aumento de peso pode fazer com que o pet tenha de utilizar com mais força suas articulações resultando em problemas como artrites e artroses. Essas patologias provocam dores intensas em locais como joelhos, anca e cotovelos. Cães de raças de porte grande podem, inclusive, desenvolver doenças mais graves como a displasia coxofemoral.

2 – Diabetes: a incapacidade na produção de insulina para processar os níveis altos de açúcar acarreta no desenvolvimento da diabetes. Essa doença não tem cura e pode obrigar o cão a submeter-se a injeções diárias, podendo levar a cegueira.

3 – Problemas respiratórios: um cão obeso tem pulmões com menos espaço para se encher de ar, aumentando sua capacidade de captação de oxigênio para fornecer ar ao maior número de células do corpo. Isso pode limitar de forma significativa sua perfomance em dias quentes, exercícios e, dependendo do caso, até em movimentos simples do dia a dia.

4 – Problemas gastrointestinais: o aumento de flatulência e diarreia são mais comuns em cães acima do peso.

5 – Problemas no sistema imunológico: se mostra menos resistente a doenças virais que afetam de forma mais agressiva cães com excesso de peso.

6 – Problemas cardíacos: o aumento da pressão sanguínea pode originar problemas cardíacos. O coração acaba por ter de aumentar sua capacidade na distribuição de sangue a muitos mais locais que possuem acúmulo de massa. Como o sangue acaba por percorrer caminhos mais longos, a força ou pressão com que precisa ser bombeado aumenta.

7 – Problemas nos procedimentos cirúrgicos: um cão obeso acaba por necessitar de uma maior dose de anestesia e possui menor visibilidade dos órgãos envolvidos em massa gorda.

8 – Possibilidade de desenvolver tumores: alguns estudos recentes associam o desenvolvimento de câncer com a obesidade canina. Principalmente aqueles localizados no sistema urinário e mamário.

Como reconhecer que um cão está obeso?

A análise do IMC (Índice de Massa Corporal) é uma maneira de analisar, de forma amadora, se o pet está obeso. Está pode ser dividida como:

Extremamente magro: quando as costelas e ossos são proeminentes, sem nenhuma dobrinha abdominal e com perda de massa muscular aparente;

Magro: são visíveis as costelas, extremidades ósseas e área lombar, com a cintura bastante fina e curva abdominal aparente;

Ideal: as costelas possuem uma fina camada de gordura, apresentando cintura e curva abdominal marcadas;

Acima do peso: a camada de gordura é densa e há clara dificuldade para apalpar as costelas do pet. As dobras de gordura nas costas e base do rabo são visíveis, enquanto a cintura marcada não aparece mais;

Obeso: aqueles com grande depósito de gordura no tórax e base do rabo, sendo que sua espinha dorsal é bastante curvada por causa do peso do abdômen.

Como é feito o diagnóstico profissional?

A obesidade pode ser considerada mais um acúmulo de gorduras no corpo do que, necessariamente, o excesso de peso. Afinal, o excesso de peso pode também verificar-se por uma retenção de água ou até a uma importante massa muscular.

Para a avaliação da gordura ser menos subjetiva, o profissional irá ter de levar em conta a análise do animal, raça ou morfologia. A obesidade se traduz fisicamente quando há certa deformação devido aos depósitos de gordura generalizadas ou localizadas em certas partes do corpo. O diagnóstico fundamenta-se na apalpação do tecido adiposo que cobre o tórax em conjunto com o contexto daquele caso e das ferramentas de equação e avaliação daquele pet em questão.

Quais as raças mais predispostas a apresentar a obesidade canina?

Nem sempre a obesidade em cães é resultado de uma superalimentação. Existem raças com propensão genética para o desenvolvimento da obesidade, entre elas: Beagle, Dálmata, Cocker Spaniel, Dogue Alemão, Pug, Golden Retriever, Basset, Dachshund, São Bernardo, Shih Tzu e Schnauzer Miniatura.

Já parceberam como é difícil encontrar vira-lata obeso? Mais um motivo para ter um vira-latinha na sua vida!

A importância da mudança de alimentação

Apesar da predisposição genética de algumas raças, a importância da mudança de alimentação é primordial seja qual for a causa do aumento de peso. Para isso, escolher uma dieta que ajude no emagrecimento é essencial.

A linha de ração mais adequada para os cães obesos são as das linhas especiais, como a Premier Obesos, que contam com ingredientes e nutrientes que ajudam no emagrecimento e queima de gordura em um ritmo saudável.

Muitos tutores optam pelas rações da linhas lights, que mais se destinam a manutenção do peso do animal do que exatamente no auxílio da perda de peso. Um erro comum em um mundo de possibilidades e rótulos de supermercado.

O ideal é que um profissional seja consultado, a fim de estabelecer a dieta ideal para cada caso concreto, planejando de forma mais eficaz a mudança na alimentação do seu amigo.

Fisioterapia veterinária como programa ideal de emagrecimento

A fisioterapia veterinária já oferece os melhores programas de reabilitação e emagrecimento saudável para os cães. As técnicas desenvolvidas preservam o estado atual de saúde do pet, trazendo mais condições de desenvolvimento muscular, articular e mobilidade.

hidroterapia veterinária com utilização de esteiras aquáticas, por exemplo, são ótimas ferramentas de emagrecimento, pois evitam os impactos do solo duro que certamente trariam mais dor e sequelas ao cão obeso, agindo diretamente na sua condição muscular e mental, oferecendo a oportunidade do cão realizar movimentos difíceis pelo excesso de peso, aumentando sua confiança. fortalecendo sua musculatura, mobilidade e articulações, estabelecendo um programa de emagrecimento gradual e saudável.

Outros métodos como a ozonioterapia, acupuntura e quiropraxia também são ótimas soluções para pets que já apresentam dores e incômodos devido ao excesso de peso. As técnicas aliviam as dores e preparam o pet para uma vida mais saudável e ativa.

A Rede Fisio Care Pet investe forte na capacitação de seus profissionais e na aquisição de equipamentos modernos que ofereçam um ambiente saudável para um emagrecimento natural. Analisamos cada caso concreto com atenção e qualidade, planejando um programa de emagrecimento eficaz e adequado para o seu cão.